Bom Jesus dos Aflitos

[ Kelson Moreira ]

Quem entra pela porta da frente da Igreja da Parangaba, pode percorrer o corredor da nave central até o altar principal do templo que fica cercado por grossas paredes com aberturas em forma de arco, tudo devidamente decorado em sua estrutura. Esta parte tem o piso mais elevado. Sobe-se três degraus até chegar ao nível da mesa de mármore que fica ao centro. Por trás dela encontra-se um complexo nicho também com níveis de acesso diferentes.

Subindo mais dois pequenos degraus, chega-se ao antigo altar, ainda da época em que as missas eram celebradas em latim, de costas para o povo. Sobre ele um belíssimo sacrário. A partir daí, uma série de batentes com alturas diferentes, levam até o nível mais alto do nicho, onde encontram-se as imagens de Maria, Mãe de Jesus, Maria Madalena e São João. Ao centro, uma imagem em tamanho natural do Cristo crucificado, talhado em madeira. É esta a imagem que os fiéis chamam de Bom Jesus dos Aflitos.

Estas imagens estão em um amplo nicho, tendo a Cruz uma peculiaridade: a madeira não é trabalhada, aplainada, como se vê em toda parte, mas é como se fossem  troncos brutos, com nervuras e esgalhos. (Barroso, 1997)

Peregrinação da Coroa

A coroa de espinhos que fica na cabeça do padroeiro, é uma peça movel, feita de bronze. É muito curiosa a forma como os paroquianos celebram a festa do padroeiro, pois em setembro, a coroa de espinhos é retirada da cabeça do Bom Jesus e entregue ao povo que sai com ela em peregrinação.

De setembro a dezembro, ela elevada pelos devotos por todas as comunidades que formam a paróquia. De bairro em bairro, de rua em rua, de casa em casa, pernoita todas as noites em um lar diferente, e em cada um desses endereços são feitas orações, leituras bíblicas, e também são entoados tradicionais benditos que lembram a passagem daquele símbolo por ali. O objetivo, além da evangelização, é arrecadar fundos para a festa do padroeiro no final do ano e também convidar o povo para a grande confraternização em dezembro, quando é realizado um novenário seguido de uma programação festiva em torno da Igreja Matriz. Tudo em honra ao Bom Jesus dos Aflitos.

O dia marcado para o início do novenário é também um grande evento. Pois a Coroa, que saiu em setembro é trazida de volta ao seu local de origem em dezembro.

Inserido dentro do ciclo natalino, a festa se estende até o dia 1º de janeiro e a Coroa é devolvida à cabeça do Cristo no dia 6 de janeiro.

Referência Bibliográfica

BARROSO, Francisco de Andrade. Igrejas do Ceará: crônicas histórico-descritivas. Fortaleza: s.n., 1997.